Continua a “novela” sobre o resgate do empurrador da empresa Bertolini

Quase um mês após o acidente envolvendo um empurrador e um navio mercante no rio Amazonas, ainda não foi apresentado o plano de resgate dos nove desaparecidos no acidente. Na manhã desta segunda-feira (28) uma empresa do estado do Amazonas se propôs a apresentar um plano durante uma reunião na Ordem dos Advogados do Brasil, subseção Santarém, mas ela não estava apta para realizar o serviço. 

Segundo a Capitania Fluvial do município, a capacidade técnica da empresa é limitada não podendo retirar o rebocador que está no fundo do rio, em uma profundidade aproximada de 60 metros. Esta empresa pode realizar os serviços de resgate em profundidade de até 30 metros. 

Outro fator que impediu a aprovação é que a empresa faz os trabalhos deste tipo em locais que não apresentam riscos aos profissionais. No entanto, o trecho onde a embarcação se encontra é considerado como perigoso, pois a correnteza é muito forte e a visibilidade é zero. 

Para realizar o içamento do empurrador seria necessária uma readequação, como compras de novos equipamentos. Esta compra só seria possível se a Bertolini LTDA, dona do rebocador, antecipasse o pagamento. 

Na reunião estiveram presentes familiares dos desaparecidos, representantes das empresas envolvidas, OAB, Marinha do Brasil, Corpo de Bombeiros, órgãos de segurança do estado e o Ministério Público Federal. O MPF poderá nos próximos dias acionar a Justiça Federal em relação a esse caso. 

PRAZOS 

Como não ficou definida a empresa que fará o plano de resgate dos nove desaparecidos, os prazos definidos em outras reuniões ainda estão vigentes. A Bertolini tem até o dia 15 de setembro para contratar uma empresa apta para tal serviço e apresentar novamente o plano à Marinha do Brasil. Caso seja aprovado o plano, a reflutuação do rebocador deve ocorrer entre os meses de outubro e novembro. 

O ACIDENTE

O empurrador com nove balsas carregadas com grãos colidiu com o navio cargueiro na madrugada de quarta-feira (2), por volta de 4h30. De acordo com a Capitania Fluvial de Santarém, no empurrador havia 11 pessoas, sendo 9 tripulantes e dois passageiros. Duas pessoas conseguiram se salvar. Elas foram resgatadas e levadas de lancha para Santarém. 

LISTA DOS TRIPULANTES 

A Bertolini Transportes divulgou ainda no dia 2 de agosto uma lista com o nome dos nove tripulantes envolvidos no acidente. A Capitania Fluvial divulgou na quinta-feira (3) o nome das outras duas pessoas que também estavam no rebocador da Bertolini. Seis dos desaparecidos são do Pará, dois do Amazonas e um de São Paulo.

  1. Carlos Eduardo Bueno de Souza – desaparecido
  2. César Lemos da Silva – resgatado com vida
  3. Cleber Rodrigues Azevedo – desaparecido
  4. Dárcio Vânio Rego – desaparecido
  5. Dick Farney de Oliveira – desaparecido
  6. Euclinger da Silva Costa – resgatado com vida
  7. Ivan Furtado da Gama – desaparecido
  8. Juraci dos Santos Brito – desaparecido
  9. Wandel Ferreira de Lima – desaparecido
  10. Adriano Sarmento de Castro – desaparecido
  11. Marcelo Reis Moreira – desaparecido

 

Por: Geovane Brito – G1/ Santarém

Um comentário em “Continua a “novela” sobre o resgate do empurrador da empresa Bertolini

  • 29 de agosto de 2017 em 20:53
    Permalink

    Acho um descaso por parte da Bertolini e das autoridades, bem como da globo q notícia em rede nacional naufrágios no Pará e Bahia e não citam esse acidente, pq?????

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *