Familiares cobram documentação de vítimas de naufrágio em Óbidos para a realização de velório

Apenas cinco dos oito corpos identificados estão com documentações completas para liberação. Familiares estão preocupados porque está marcado o velório coletivo para o dia 2 de janeiro.

Familiares cobram documentação de vítimas do rebocador para a realização de velórios

Familiares cobram documentação de vítimas do rebocador para a realização de velórios

Os familiares das vítimas do naufrágio que aconteceu próximo a Óbidos, no oeste do Pará, no dia 2 de agosto estão cobrando do Centro de Perícia Renato Chaves (CPC) as documentações para liberação dos corpos. Segundo eles, apesar de oito vítimas terem sido identificadas, apenas cinco contam com todos os documentos.

Está programado para o dia 2 de janeiro o velório coletivo das vítimas. As famílias estão com receio que toda a programação para este momento de despedida seja cancelada, prorrogando ainda mais o sofrimento.

“A nossa preocupação agora é em relação a documentação que está faltando o CPC de Belém enviar ao CPC de Santarém para que seja finalizado esse processo. Combinamos de fazer um velório coletivo no dia 2, mas apenas cinco estão com as declarações prontos, sendo que esse documento é essencial para fazer a liberação para a funerária fazer a preparação e entregar às famílias. A gente precisa colocar um ponto final nisso”, disse Wemerson Almeida, parente de uma das vítimas.

Segundo o advogado que representa as famílias, Isaac Lisboa, o CPC informou que os oito laudos das vítimas identificadas estavam prontos e que os corpos poderiam ser liberados. Porém, ao ir à unidade regional do órgão ficou sabendo que apenas documentos estavam concluídos. Os corpos que estão com as documentações prontas são dos tripulantes Adriano Sarmento Castro, Dárcio Vânio Rego, Ivan Furtado da Gama, Dick Farney de Oliveira e Juraci dos Santos Brito.

“Nós tivemos acesso ao técnico do CPC que veio aqui semana passada e foi fornecida a informação de que oito laudos estavam prontos e, portanto, já poderíamos ter acesso aos corpos. Nós acessamos o IML em Santarém e apenas cinco laudos estavam prontos, no qual o médico emitiu a declaração de óbito no dia seguinte e, como consequência, acessamos o atestado de óbito”, disse o advogado.

Ainda segundo Isaac, a partir da declaração de óbito disponibilizada pelo CPC, a família vai ao cartório para retirada da certidão de óbito dentro de um prazo de 15 dias. O documento tem validade para diversos procedimentos, principalmente judiciais. Porém, esse prazo venceu e o advogado teve de peticionar uma ação ao judiciário para dar prosseguimento aos processos e conseguir a certidão dos cinco que já tem a declaração.

O restante das declarações e certidões são das vítimas do estado do Maranhão, Amazonas e São Paulo – este último ainda não identificado porque houve atraso na coleta e envio do material genético ao CPC em Belém.

Em nota, o Centro de Perícias Científicas Renato Chaves esclareceu que oito, das nove vítimas do acidente com o empurrador TBL CXX foram devidamente identificadas, no prazo mínimo de 10 dias, pelos peritos criminais do Laboratório de Genética Forense do Centro de Perícias. Entretanto, para que os exames de comparação pudessem ser realizados, três familiares que moram nos Estados de Maranhão, São Paulo e Amazonas tiveram seus materiais genéticos coletados pela Polícia Técnica Científica dos respectivos Estados, auxiliando o Centro de Perícias neste trabalho.

Os materiais biológicos dos familiares dos Estados de Maranhão e Amazonas foram processados nos próprios Laboratórios de Genética Forense dos respectivos Estados e tendo somente os resultados encaminhados para o Laboratório do Centro, dando mais agilidade no trabalho de DNA. Todas as documentações legais, foram formalmente encaminhadas via sedex, para o Centro de Perícias para que os laudos pudessem ser concluídos. Porém, por conta do período natalino e o retórico congestionamento do sistema dos Correios, a entrega das documentações sofreu um atraso e, consequentemente, atrasou a finalização das Declarações de Óbidos.

Até o presente momento, somente uma vítima, cujo os familiares residem no Estado de São Paulo, não foi identificada, pois o material genético dos familiares foi encaminhado via sedex, chegando ao Laboratório de Genética do CPC na manhã desta quinta-feira (28). Os peritos já estão trabalhando para que o resultado fique pronto ainda no fim do dia.

A direção ressaltou que as documentações legais necessárias para a liberação dos corpos serão entregues antes do dia 2 de janeiro, data em que será realizado o velório coletivo, atendendo solicitação dos familiares e, dentro do prazo estimado pelo Centro para a identificação e liberação dos corpos.

Fonte G1 Santarém

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *